Visualização de vídeos

Os vídeos e músicas postados neste espaço podem não ser visualizados em versões mais recentes do Internet Explorer, sugiro a utilização do Google Crome, mais leve e rápido, podendo ser baixado aqui.

quinta-feira, 12 de julho de 2018

HISTÓRIAS AFRO-ATLÂNTICAS

Monumental, esse seria um adjetivo que descreve bem a sensação que temos ao contemplar as belezas das obras dessas exposições, principalmente na parte acadêmica das pinturas, que nos enlevam e nos fazem viajar até as cenas, inserindo-nos nelas como observadores presentes.

As imagens nos lembram toda a brutalidade e tristeza impingidas aos negros, forçados à escravidão e  a uma vida miserável, longe de suas raízes.

Outra constatação que me ocorreu é que a escravidão foi uma praga americana e que não tínhamos o  monopólio da crueldade, apesar de termos sido a última nação a acabar com a escravidão. Talvez por falta de informações, vergonha e sentimento de culpa por esse passado, essa realidade ficava meio etérea em nosso subconsciente.

Todas as obras, tanto de artistas americanos, quanto dos europeus ampliam ou restauram nosso conhecimento dessa chaga da história da humanidade.

Dois lindos passeios que se completam, pois de tão ampla e magnífica foi dividida em duas instalações, no MASP e no Instituto Tomie Ohtake.









Abaixo das imagens, o "press-release", fornecidos pela assessoria de imprensa do Instituto Tomie Ohtake.









EM INICIATIVA INÉDITA, MASP E INSTITUTO TOMIE OHTAKE ORGANIZAM JUNTOS A EXPOSIÇÃO HISTÓRIAS AFRO-ATLÂNTICAS

  • Mais de 400 obras, cobrindo 5 séculos, com cerca de 210 artistas nacionais e internacionais, de períodos e contextos diversos, ocupam as duas instituições. No Instituto Tomie Ohtake serão duas salas, enquanto o MASP reserva todos os seus espaços expositivos temporários à mostra.

  • Entre os artistas, destacam-se: Aaron Douglas, Abdias do Nascimento, Albert Eckhout, Alma Thomas, Andy Warhol, Antônio Bandeira, Antônio Obá, Archibald Motley Jr., Arthur Bispo do Rosário, Barkley L. Hendricks, Beauford Delaney, Ben Enwonwu, Benny Andrews, Ibrahim Mahama, Cândido Portinari, Carlos Vergara, Carybé, Cícero Dias, Dalton Paula, Djanira da Motta e Silva, Edna Manley, Ellen Gallagher, Emanoel Araujo, Emiliano Di Cavalcanti, Emma Amos, Emory Douglas, Ernest Mancoba, Faith Ringgold, Frans Post, Gerard Sekoto, Glenn Ligon, Hank Willis Thomas, Heitor dos Prazeres, Howardena Pindell, Ibrahim El-Salahi, Jacob Lawrence, Jaime Lauriano, Jean-Baptiste Debret, Johann Moritz Rugendas, Joshua Reynolds, Kara Walker, Loïs Mailou Jones, Lynette Yiadom-Boakye, Maria Auxiliadora da Silva, Marlene Dumas, Mestre Didi, Nina Chanel Abney, Norman Lewis, Paul Cézanne, Paulo Nazareth, Pedro Figari, Pierre Verger, Radcliffe Bailey, Romare Bearden, Rosana Paulino, Rubem Valentim, Sıdney Amaral, Sônia Gomes, Theaster Gates, Théodore Géricault, Titus Kaphar, Toyin Odutola, Uche Okeke e Wilfredo Lam

  • A exposição conta com empréstimos de importantes coleções particulares e instituições do mundo todo, entre elas, Metropolitan Museum, Nova York, J. Paul Getty Museum, Los Angeles, National Gallery of Art, Washington, Menil Collection, Houston, Galleria degli Uffizi, Florença, Musée du quai Branly, Paris, National Portrait Gallery, Londres, Victoria and Albert Museum, Londres, National Gallery of Denmark (SMK), Copenhague, Museo Nacional de Bellas Artes de La Habana e National Gallery of Jamaica


Ao longo de todo o ano de 2018, o MASP dedica seu programa de exposições e atividades às histórias e narrativas afro-atlânticas. Essas histórias não se referem apenas ao período da escravidão, em que populações africanas foram retiradas à força de seu continente para serem escravizadas nas colônias europeias nas Américas e no Caribe, mas fala, sobretudo, dos “fluxos e refluxos”, usando a famosa expressão de Pierre Verger, entre esses povos atlânticos, desde o século 16 até a contemporaneidade. O ciclo teve início em março, e já apresentou Imagens do Aleijadinho, Maria Auxiliadora da Silva: vida cotidiana, pintura e resistência e Emanoel Araujo, a ancestralidade dos símbolos: África-Brasil. No segundo semestre, exibe individuais de Lucia Laguna, Melvin Edwards, Pedro Figari, Rubem Valentim e Sonia Gomes.

A exposição coletiva Histórias afro-atlânticas reúne, em iniciativa inédita, duas das principais instituições culturais de São Paulo: o MASP e o Instituto Tomie Ohtake. Trata-se, de certa maneira, de um desdobramento da exposição Histórias mestiças, realizada em 2014, no Instituto Tomie Ohtake, por Adriano Pedrosa e Lilia Schwarcz, que também assinam a curadoria desta nova mostra, junto com Ayrson Heráclito e Hélio Menezes, curadores convidados, e Tomás Toledo, curador assistente.

Histórias afro-atlânticas apresenta cerca de 400 obras de mais de 200 artistas, tanto do acervo do MASP, quanto de coleções brasileiras e internacionais, incluindo desenhos, pinturas, esculturas, filmes, vídeos, instalações e fotografias, além de documentos e publicações, de arte africana, europeia, latino e norte-americana, caribenha, entre outras. Os empréstimos foram cedidos por algumas das principais coleções particulares, museus e instituições culturais do mundo. Entre elas, destacam-se: Metropolitan Museum, Nova York, J. Paul Getty Museum, Los Angeles, National Gallery of Art, Washington, Menil Collection, Houston, Galleria degli Uffizi, Florença, Musée du quai Branly, Paris, National Portrait Gallery, Londres, Victoria and Albert Museum, Londres, National Gallery of Denmark (SMK), Copenhague, Museo Nacional de Bellas Artes de La Habana e National Gallery of Jamaica.

A exposição articula-se em torno de núcleos temáticos, alguns dos quais dialogam com aqueles presentes em Histórias mestiças. No MASP estão os núcleos Mapas e margens; Cotidianos; Ritos e ritmos; Retratos; Modernismos afro-atlânticos; Rotas e transes: Áfricas, Jamaica, Bahia; e no Instituto Tomie Ohtake estão Emancipações; Ativismos e resistências. Em cada núcleo, friccionam-se diferentes movimentos artísticos, geografias, temporalidades e materialidades, sem compromisso cronológico, enciclopédico ou mesmo retrospectivo. Histórias afro-atlânticas busca, assim, oferecer um panorama das múltiplas histórias possíveis acerca das trocas bilaterais – culturais, simbólicas, artísticas, etc. – representadas em imagens vindas da África, da Europa, das Américas e do Caribe.

É importante ressaltar que o Brasil é um território chave nessas histórias, pois recebeu cerca de 46% dos africanos e africanas que, ao longo de mais de 300 anos, foram tirados de seus países para serem escravizados desse lado do Atlântico (número correspondente ao dobro dos portugueses que se estabeleceram no país para colonizá-lo), na maior diáspora da época moderna. O Brasil foi também o último país a abolir oficialmente a escravidão, em 1888, por meio da Lei Áurea, uma medida curta e conservadora (uma vez que não previa a incorporação desta população) que completou 130 anos em maio deste ano.

Histórias afro-atlânticas está organizada de forma independente e não-linear entre as duas instituições, não havendo uma ordem correta ou obrigatória a seguir. Como vimos, no Instituto Tomie Ohtake, há duas salas dedicadas à mostra; no MASP, todos os espaços expositivos temporário estão ocupados pela mostra.


NÚCLEOS MASP

1º andar
MAPAS E MARGENS -- os fluxos afro-atlânticos são apresentados neste núcleo que abre a exposição no MASP e inclui trabalhos que lidam com representações do trânsito entre as margens da África, Américas e Caribe.

COTIDIANOS – este núcleo agrupa representações da vida cotidiana, em diferentes contextos históricos, dos períodos anterior e posterior ao sistema escravocrata, nas Américas, no Caribe e em diversas regiões da África, com trabalhos de artistas de distintas nacionalidades. Está dividido em seções, que abordam temas como mercados, a vida no campo e cenas urbanas.

RITOS E RITMOS – este núcleo conta com representações diversas de festividades e manifestações musicais, como o carnaval, o merengue e o samba, bem como trabalhos que revelam a presença e a influência das religiões de matriz africana, sobretudo da cultural Ioruba, no Brasil, Caribe e Estados Unidos.

RETRATOS -- em oposição às tradicionais pinacotecas de retratos de museus que exibem, em sua grande maioria, apenas a elite e as populações brancas, e masculinas, este núcleo apresenta um vasto conjunto de representações de negros e negras, elaborados por artistas de diferentes nacionalidades e períodos históricos.

1º subsolo
MODERNISMOS AFRO-ATLÂNTICOS --  este núcleo apresenta artistas modernistas africanos, brasileiros, cubanos e norte-americanos que trabalham, sobretudo, com a abstração, tanto geométrica, quanto informal. Ele confronta, portanto, uma visão que costuma vincular essas populações apenas a obras “ditas” populares, e ingênuas.

2º subsolo
ROTAS E TRANSES: ÁFRICAS, JAMAICA, BAHIAeste núcleo reúne representações de transe, religiões, rastafarismos, hipismo e psicodelismo, que informaram um conjunto de obras produzidas a partir de 1960, em trânsito entre Benim, Cuba, Jamaica e diferentes cidades do Brasil.

NÚCLEOS INSTITUTO TOMIE OHTAKE

EMANCIPAÇÕES -- este núcleo mostra como desde que existiu a escravidão manteve-se firme a certeza da liberdade. Desde o aprisionamento na África, durante a viagem nos navios negreiros e já na chegada às Américas e ao Caribe escravizados e escravizadas sempre se rebelaram, promoveram insurreições, fugiram, cometeram suicídios e abortos e formaram quilombos, que não eram, como se costumou definir, locais isolados.

ATIVISMOS E RESISTÊNCIAS -- ser mestre de si, desobedecer o mando, é o mote que inspira este núcleo. Partindo da grande revolta do Haiti, que mostrou ao mundo como ser escravo não era destino, o núcleo chega até os protestos mais contemporâneos. Coloca, assim, em diálogo diferentes temporalidades e geografias de ativismos afro-atlânticos, dando especial atenção às práticas de resistência à escravidão, às lutas por direitos civis e de combate ao racismo, aos rituais religiosos e às contra-narrativas de empoderamento e formação de espaços de sociabilidade negra.

Como parte do processo de pesquisa e preparação da mostra, o MASP promoveu dois
seminários internacionais, em 28 e 29 de outubro de 2016 e 21e 22 de outubro de 2017, reunindo especialistas em vários domínios e temas, como história da arte, sociologia, história e antropologia. Uma seleção dessas palestras e artigos, bem como outros materiais selecionados para esse fim, será publicada como uma antologia de textos. Além disso, um catálogo completo e ilustrado acompanhará a exposição, com textos dos curadores.

O escritório de arquitetura METRO Arquitetos Associados assina a expografia da mostra
no MASP, enquanto a do Instituto Tomie Ohtake é assinada pela própria equipe.

SERVIÇO
HISTÓRIAS AFRO-ATLÂNTICAS
Abertura MASP: 28 de junho, 20h
Data: 29 de junho a 21 de outubro de 2018
Abertura Instituto Tomie Ohtake: 30 de junho, das 11h às 15h – visitação até às 20h
Data: 01 de julho a 21 de outubro de 2018
Local: MASP e Instituto Tomie Ohtake

Serviço MASP
Endereço: Avenida Paulista, 1578, São Paulo, SP
Telefone: (11) 3149-5959
Horários: terça a domingo: das 10h às 18h (bilheteria aberta até as 17h30); quinta-feira: das 10h às 20h (bilheteria até 19h30)
Ingressos: R$35 (entrada); R$17 (meia-entrada)
O MASP tem entrada gratuita às terças-feiras, durante o dia todo.
AMIGO MASP tem acesso ilimitado e sem filas todos os dias em que o museu está aberto.
O ingresso dá direito a visitar todas as exposições em cartaz no dia da visita.
Estudantes, professores e maiores de 60 anos pagam R$17 (meia-entrada).
Menores de 10 anos de idade não pagam ingresso.
O MASP aceita todos os cartões de crédito.

Estacionamento: Convênios para visitante MASP, período de até 3h. É preciso carimbar o ticket do estacionamento na bilheteria ou recepção do museu.
CAR PARK (Alameda Casa Branca, 41)
Segunda a sexta-feira, 6h-23h: R$ 14
Sábado, domingo e feriado, 8h-20h: R$ 13
PROGRESS PARK (Avenida Paulista, 1636)
Segunda a sexta-feira, 7h-23h: R$ 20
Sábado, domingo e feriado, 7h-18h: R$ 20
Acessível a deficientes físicos, ar condicionado, classificação livre

Serviço Instituto Tomie Ohtake
Av. Faria Lima, 201 – Complexo Aché Cultural
(Entrada pela Rua Coropés, 88) – Pinheiros, São Paulo
Metrô mais próximo – Estação Faria Lima / Linha 04 – Amarela
Fone: (11) 2245-1900
De terça à domingo, das 11h às 20h
Entrada Gratuita
Acessível a deficientes físicos, ar condicionado, classificação livre

  


Contato de imprensa:

Instituto Tomie Ohtake:
Pool de Comunicação
Fone: 11 3032-1599

domingo, 1 de julho de 2018

Acervo em Transformação - Comodato MASP B3

A doação em comodatos dessas obras ao MASP pela B3 é um gesto magnânimo que demonstra que ainda há pessoas que se importam com o acesso da população em geral a essas maravilhas que adornavam escritórios dessa instituição, em ambientes fechados e inacessíveis.

Com obras magníficas, que cobrem grandes escolas e movimentos artísticos brasileiros, de todos os artistas importantes de nossas artes plásticas.

É surpresa, quase um êxtase, que sentimos ao ver esta mostra, pois amplia nossa percepção das belezas aqui produzidas.

Em lindo passeio que tem data para acabar, diferente do contrato de comodato que tem duração de trinta anos. Mais informações no release abaixo. 


Samba em Preludio - Vinicius De Moraes & Odete Lara


Abaixo das imagens, o "release", fornecidos pela assessoria de imprensa do MASP.







MASP e B3 fazem parceria inédita e presenteiam o Brasil com exposição exclusiva de 25 obras
Obras de nomes como Anita Malfatti, Benedito Calixto, Candido Portinari e Emiliano di Cavalcanti foram cedidas pela Bolsa de São Paulo ao MASP via comodato e farão parte do acervo do museu pelos próximos 30 anos

Sessenta e seis produções de artistas nacionais que datam dos séculos 19 e 20 irão complementar o acervo do MASP a partir de junho. A coleção, cedida pela B3 em modelo de comodato, ficará aos cuidados do museu por 30 anos. Destas, 25 serão apresentadas ao público na mostra Acervo em Transformação - Comodato MASP B3 que vai de 14 de junho a 29 de julho no mezanino do MASP.

A exposição inclui Alberto da Veiga Guignard, Aldo Bonadei, Anita Malfatti, Antonio Bandeira, Antonio Henrique Amaral, Antonio Parreiras, Arcangelo Ianelli, Benedito Calixto, Bruno Giorgi, Candido Portinari, Emiliano di Cavalcanti, Ernesto de Fiori, Ione Saldanha, José Pancetti, Maria Leontina e Ranchinho.

A parceria é uma homenagem aos ex-conselheiros das antigas BM&F e Bovespa, empresas que deram origem à BM&F BOVESPA, em 2008, e à B3, em 2017, após a combinação de atividades com a Cetip. O comodato permite que o MASP exponha e empreste as obras para outros museus, do Brasil e do mundo, ao mesmo tempo em que assume a responsabilidade pela conservação dos trabalhos. 

“A B3 completou um ano em 2018, mas tem uma trajetória centenária. Essas peças estiveram em nossas paredes por muitos anos, participando, junto com as pessoas que construíram essa empresa, de inúmeros momentos importantes da economia do país. Possibilitar o acesso da sociedade a obras tão ricas e culturalmente valiosas para o Brasil, por meio do MASP, é uma alegria e um orgulho para nós”, afirma Gilson Finkelsztain, presidente da B3.

“É uma honra para o MASP receber um arquivo tão rico para a cultura do Brasil. Muitas obras nunca foram expostas antes e poder vê-las de perto, em uma exposição inédita, é um presente especial da B3 para população de São Paulo”, diz Heitor Martins, diretor-presidente do MASP.

Acervo em Transformação - Comodato MASP B3
Data: 14 de junho a 29 de julho de 2018
Endereço: Avenida Paulista, 1578, São Paulo, SP
Telefone: (11) 3149-5959
Horários: terça a domingo: das 10h às 18h (bilheteria aberta até as 17h30); quinta-feira: das 10h às 20h (bilheteria até 19h30)
Ingressos: R$35 (entrada); R$17 (meia-entrada)

O MASP tem entrada gratuita às terças-feiras, durante o dia todo.
AMIGO MASP tem acesso ilimitado e sem filas todos os dias em que o museu está aberto.
O ingresso dá direito a visitar todas as exposições em cartaz no dia da visita.
Estudantes, professores e maiores de 60 anos pagam R$17 (meia-entrada).
Menores de 10 anos de idade não pagam ingresso.
O MASP aceita todos os cartões de crédito.
Estacionamento: Convênios para visitante MASP, período de até 3h. É preciso carimbar o ticket do estacionamento na bilheteria ou recepção do museu.
CAR PARK(Alameda Casa Branca, 41)

Horário de funcionamento:
Segunda a sexta-feira, 6h-23h: R$ 14
Sábado, domingo e feriado, 8h-20h: R$ 13

Estacionamento:
PROGRESS PARK (Avenida Paulista, 1636)
Segunda a sexta-feira, 7h-23h: R$ 20
Sábado, domingo e feriado, 7h-18h: R$ 20
Acessível a deficientes físicos, ar condicionado, classificação livre.

www.masp.org.br
facebook.com/maspmuseu
twitter.com/maspmuseu
instagram.com/masp_oficial


SOBRE A B3
A B3 (B3SA3) – Brasil, Bolsa, Balcão – é uma empresa de infraestrutura de mercado financeiro e uma das 10 maiores em valor de mercado do mundo. Cria e administra – em ambiente de bolsa e de balcão – sistemas de negociação, compensação, liquidação e registro para todas as principais classes de ativos, desde ações e títulos de renda fixa privada até derivativos de moedas, taxas de juro e de commodities e operações estruturadas. A B3 também oferece serviços de central depositária e de sistemas de controle de risco até o beneficiário final e atua como contraparte central para as operações realizadas em seus mercados. É a companhia líder na prestação de serviços de entrega eletrônica das informações necessárias para o registro de contratos e anotações dos gravames pelos órgãos de trânsito.

Com sede em São Paulo e escritórios em Londres e Xangai, a B3 reúne uma longa tradição de inovação em produtos e tecnologias, além de desempenhar funções importantes nos mercados financeiros e de capitais da região pela promoção de melhores práticas em governança corporativa, gestão de riscos e sustentabilidade. Atuando por meio de sua rede qualificada de intermediários, administra ambientes seguros e resilientes, aumentando a segurança, a solidez e a eficiência do mercado brasileiro e contribuindo para a formação de capital de longo prazo e para o crescimento econômico na região.

facebook.com/SomosB3
twitter.com/B3_Oficial


Contato de imprensa:


B3 – imprensa@b3.com.br

segunda-feira, 14 de maio de 2018

100 Anos de Arte Belga

Essa é uma exposição muito agradável de se ver. Com ampla visão de um século sobre as artes plásticas belga, de um colecionador apaixonado que soube criar sua coleção com o que de melhor e mais significativo foi criado em seu país de adoção, encanta e instrui.

O interessante de se notar é a conversa de seus artistas com seus contemporâneos do mundo todo, que por terem estudado nas mesmas cidades e escolas, influenciaram e foram influenciados pela pela efervescência ao seu redor.

Desafios a buscar essas similaridades, tanto nos traços como nas cores, de artistas de seu conhecimento.

Mais um lindo passeio proporcionado pela FIESP no seu centro cultural.



Abaixo das imagens, o "press-release", fornecidos pela assessoria de imprensa da FIESP






PELA PRIMEIRA VEZ NA AMÉRICA LATINA, EXPOSIÇÃO REÚNE 100 ANOS DE ARTE BELGA NO CENTRO CULTURAL FIESP
Mostra gratuita traça panorama da pintura belga desde o impressionismo de Emile Claus à abstração gestual de Louis Van Lint. As obras são do acervo do colecionador Heinrich Simon

São Paulo, março de 2018 – Seis anos depois de chegar à Bélgica, em 1974, o engenheiro alemão Heinrich Simon comprou sua primeira pintura: uma composição de Louis Van Lint (1909-1986), um dos grandes nomes do abstracionismo pós-guerra. Tal aquisição daria início à paixão de Heinrich e de sua esposa Françoise Simon pela arte belga moderna.
A partir do dia 4 de abril (quarta), parte dessa extensa coleção, adquirida ao longo de três décadas pelo casal, chega ao Centro Cultural Fiesp para a exposição 100 Anos de Arte Belga. Inédita na América Latina, a mostra convida o público a conferir trabalhos de expoentes renomados, como René Magritte (1898-1967), Paul Delvaux (1897-1994) e James Ensor (1860-1949), e também de outros menos conhecidos internacionalmente, como Emile Claus (1849-1924), Louis Van Lint, Pol Bury (1922-2005) e Pierre Alechinsky (1927). A mostra fica em cartaz até 10 de junho, com entrada gratuita.
“A Coleção Simon é provavelmente a mais importante coleção privada de arte moderna belga mantida fora da Bélgica”, afirma a curadora Laura Neve. “Por mais que reflita o gosto pessoal de Heinrich e Françoise, ela traça um panorama impressionante de quase um século de arte belga [de 1880 a 1980]”, completa.
Das cerca de 90 peças da coleção, 69 obras foram trazidas para o Brasil. Feitas por 37 artistas, elas estão divididas em cinco sessões temáticas Vida e Luz, Realidades Alternativas, Entre Engajamento e Escapismo, Da Natureza ao Poema Pictórico e No Rigor. Cada sessão apresenta, de maneira não cronológica, a temática comum do binômio arte-realidade e a evolução da arte belga ao longo do tempo. Podemos reconhecer correntes artísticas internacionais, desde o impressionismo ao Abstracionismo, passando pelo Simbolismo, Fauvismo, Expressionismo e Surrealismo”, comenta Laura.

Relação antiga
Desde 2003, o acervo tem sido gerenciado pela Patrick Derom Gallery, em Bruxelas (Bélgica), tendo percorrido museus de Bruxelas (2003), Holanda (2004), Japão (2005 e 2006) e EUA (2007). Somente agora, sete anos após a morte de Heinrich, Françoise decidiu retomar a divulgação das obras, trazendo-as pela primeira vez ao Brasil, em particular a São Paulo, com quem já têm um forte vínculo histórico.
“Nas décadas de 1950 e 1960, artistas como Constant Permeke (1886-1952), Gustave De Smet (1877-1943), Frits Van den Berghe (1883-1939), Paul Delvaux, René Magritte, Jean Brusselmans (1884-1953), Edgard Tytgat (1879-1957), Jo Delahaut (1911-1992), Anne Bonnet (1908-1960), Antoine Mortier (1908-1999), Pierre Alechinsky, Gaston Bertrand (1910-1994) e Louis Van Lint regularmente participavam das Bienais em São Paulo. Dessa forma, expor a coleção Simon exatamente aqui é uma maneira de renovar essa relação entre Bélgica e Brasil”, afirma Laura.

Serviço:
 
Exposição 100 Anos de Arte Belga - do Impressionismo ao Abstracionismo
Coleção Simon | Curadoria de Laura Neve
Local: Galeria de Arte do Centro Cultural Fiesp
Período expositivo:  de 4 de abril a 10 de junho de 2018
Horários: terça a sábado, das 10h às 22h; domingo, das 10h às 20h
Agendamentos escolares e de grupos: 3146-7439
Classificação indicativa: livre
Grátis. Mais informações em www.centroculturalfiesp.com.br

_______________________________________________________
Assessoria de Imprensa Centro Cultural Fiesp | www.centroculturalfiesp.com.br
Raisa Scandovieri | (11) 3549-4846


sexta-feira, 6 de abril de 2018

Alucinações parciais Exposição-escola com obras-primas modernas do Brasil e do Centre Pompidou

Ideia genial do curador do Instituto Tomie Ohtake, Paulo Myada, com o curador do Centre Pompidou, Fréderic Paul, em criar esta exposição, não tanto pela sua disposição com uma arena no centro da sala onde serão ministrados cursos palestra e atividades lúdicas, mas pela conversa entre os modernismos francês e o brasileiro.

Com obras icônicas da produção modernista nacional , que são há muito parte de nosso imaginário coletivo, expande nossa percepção dessa escola fantástica, que tantas belezas produziu em vários estilos diferentes, mas complementares.

Isso talvez pela característica de que todos esses nossos artistas, com exceção de Guignard, passaram por Paris, tendo frequentado as mesmas escolas e rodas de intelectuais, que imagino, sedimentaram a vontade de criar dentro desse novo conceito.

Um passeio imperdível, a ser feito mais de uma vez, se aproveitando várias atividades propostas pelo evento.


Maurice Chevalier - Paris Sera Toujours Paris


Abaixo das imagens, o "press-release", fornecidos pela assessoria de imprensa do Instituto Tomie Ohtake






















INSTITUTO TOMIE OHTAKE

APRESENTA

Alucinações parciais  
Exposição-escola com obras-primas modernas do Brasil e do Centre Pompidou

Abertura: 05 de abril, às 20h – 10 de junho de 2018

Ao realizar Alucinações Parciais, nome inspirado na obra de Salvador Dalí presente na mostra, o Instituto Tomie inova ao propor uma “exposição-escola” com obras-primas de vinte artistas modernistas maiores do Brasil e do mundo. O novo formato pretende oferecer uma experiência em que o público possa se aproximar ainda mais dos trabalhos, de seus respectivos autores e do histórico movimento.

O conceito de “exposição-escola” se explicita no próprio desenho do espaço expositivo, em que uma arena-auditório central receberá uma intensa programação. Durante todo o período em que a mostra estiver em cartaz, o Instituto Tomie Ohtake promoverá diariamente debates, aulas, palestras, workshops, ateliês e visitas orientadas a fim de estabelecer trocas com o público para aprofundar, investigar e resignificar narrativas relativas ao marcante período da história da arte no século XX. A proposta vai ao encontro da intenção do Instituto de difundir obras e contextos artísticos de grande relevância e abrir caminhos para o debate crítico e a atualização do sentido histórico de cada época.

Concebida por meio de um diálogo entre os curadores Fréderic Paul, do Centre Pompidou, e Paulo Miyada, do Instituto Tomie Ohtake, a coletiva pretende esgarçar a discussão sobre o modernismo europeu e brasileiro com 10 obras-primas de nomes históricos, pertencentes ao Centre Pompidou, que raramente saíram de seu acervo, e de 10 de artistas brasileiros, provenientes das coleções do MASP, Pinacoteca, Museu de Belas Artes- RJ e particulares. O curador do Instituto Tomie Ohtake ressalta que a quantidade enxuta de obras torna a narrativa histórica da exposição explicitamente lacunar, mas, em contrapartida, propõe desafios sobre como se dará a apreensão do público neste formato. 

No conjunto do Centre Pompidou estão os artistas e as respectivas obras: Fernand Léger, Adeus Nova York, 1946; Georges Braque, Natureza-morta com violino, 1911; Henri Matisse, Ponte Saint –Michel, c.c 1900; Joan Miró, A Sesta, 1925; Man Ray, Uma noite em Saint-Jean-de-Luz, 1929; Pablo Picasso, Arlequim, 1923; Paul Klee, Rítmico, 1930; Robert Delaunay, Torre Eiffel, 1926; Savador Dali, Alucinação parcial. Seis imagens de Lenin sobre um piano, 1931; Vassily Kandinsky, Quadro com Mancha Vermelha, 1914.

Já na seleção de brasileiros estão as pinturas de Anita Malfati, A estudante, 1915¬16, e O lavrador de café, 1939, de Cândido Portinari; três aquarelas de Cícero Dias, Sonho Tropical, 1929, Sem título, 1928, e Fábula, década de 20; escultura de Maria Martins, Tamba-tajá, 1945; a tela de Vicente do Rego Monteiro, Atirador de Arco, 1925; o óleo de Flávio de Carvalho, Ascensão definitiva de Cristo, 1932; o retrato Lea e Maura, 1940, de Alberto da Veiga Guignard; e as obras Menino com lagartixa, 1924, A Feira II, 1925, e  Sem título (autorretrato  com Adalgisa), 1925, de Lasar Segall, Tarsila do Amaral e Ismael Nery, respectivamente.

Segundo os curadores, a exposição experimenta uma abordagem no cerne do modernismo europeu e brasileiro, quando Paris ocupava o lugar central em uma rede cultural global que se estabelecia através de intercâmbios, contaminações e misturas. “Quão forte é o laço que consegue produzir algum ponto de contato entre o russo Kandinsky e a paulistana Malfatti? Como pode um artista, como Rego Monteiro, ou Picasso, ser simultaneamente exótico e exoticizante, dependendo de onde os olhamos? O que fazer com a formação vanguardista e a trajetória emigrante de, digamos, Lasar Segall (ou, no sentido inverso, de Man Ray)?”, indaga Miyada.

Por sua vez, Fréderic Paul defende que o rigor científico exigido na construção didática da história da arte, pode passar ao largo das obras, ao deixar zonas de sombra entre datas e citações. “As obras, sobretudo as mais importantes, nunca se nos mostram tais quais são. Estão plasmadas pela história e por histórias que as tornam visíveis”, diz, parafraseando Paul Klee.


Exposição: Alucinações Parciais: Exposição-escola com obras-primas modernas do Brasil e do Centre Pompidou
Abertura: 05 de abril, às 20h
Visitação até 10 de junho de 2018 - terça a domingo, das 11h ás 20h

Instituto Tomie Ohtake
Av. Faria Lima 201 - Complexo Aché Cultural
(Entrada pela Rua Coropés, 88) - Pinheiros SP –
Metrô mais próximo - Estação Faria Lima/Linha 4 - amarela

Informações à Imprensa
Pool de Comunicação - Marcy Junqueira
Fone: 11 3032-1599