Visualização de vídeos

Os vídeos e músicas postados neste espaço podem não ser visualizados em versões mais recentes do Internet Explorer, sugiro a utilização do Google Crome, mais leve e rápido, podendo ser baixado aqui.

segunda-feira, 29 de junho de 2009

A riqueza e as sutilezas do nosso idioma

Recebi o texto abaixo, que decidi compartilhar, ainda inconformado com a reforma ortográfica, que a meu ver empobreceu nosso idioma.





Sobre a Vírgula

Muito legal a campanha dos 100 anos da ABI (Associação Brasileira de Imprensa).


Vírgula pode ser uma pausa... ou não.
Não, espere.
Não espere.

Ela pode sumir com seu dinheiro.
23,4.
2,34.

Pode ser autoritária.
Aceito, obrigado.
Aceito obrigado.

Pode criar heróis.
Isso só, ele resolve.
Isso só ele resolve.

E vilões.
Esse, juiz, é corrupto.
Esse juiz é corrupto.

Ela pode ser a solução.
Vamos perder, nada foi resolvido.
Vamos perder nada, foi resolvido.

A vírgula muda uma opinião.
Não queremos saber.
Não, queremos saber.

Uma vírgula muda tudo.

ABI: 100 anos lutando para que ninguém mude uma vírgula da sua informação.

Detalhes Adicionais
SE O HOMEM SOUBESSE O VALOR QUE TEM A MULHER ANDARIA DE QUATRO À SUA PROCURA.



Se você for mulher, certamente colocou a vírgula depois de MULHER.
Se você for homem, colocou a vírgula depois de TEM.

quarta-feira, 24 de junho de 2009

O que todos nós pensamos

video

Olá,
Recebi o vídeo em anexo, do Jornalista Luiz Carlos Prates da RBS.
E este me fez refletir, se para esta prodridão de nossas instituições que hora aparecem, quantas estão escondidas, quantas nunca virão à tona e quantas nunca serão descobertas?
Isto tudo deveria inspirar à reflexão sobre a desobediência civil.
Aos que acessarem este blog, comentários são bem vindos.

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Desfile Mário Queiroz - Verão 2010

Olá,
Ontem foi apresentada a coleção verão 2010 do Estilista Mário Queiroz.
Tive uma pequena participação nesta edição, através do desenvolvimento das bolsas desta estação.
O desfile foi realizado ontem às 18:00 hs na São Paulo Fashion Week, no prédio de Bienal, com um show ambientado em um café parisience, bem bonito como sempre.
Em anexo as fotos das bolsas apresentadas.




segunda-feira, 15 de junho de 2009

Entrevista de Nelson Alvarenga para Folha

Olá,
Transcrevo abaixo entrevista de Nelson Alvarenga, publicada no Jornal Folha de São Paulo.
Finalmente alguém com força no mundo da moda diz o que todos pensavam e não tinham como se expressar, e mais importante, se fazer ouvir.
Sugiro que as pessoas que vivem da moda leiam esta entrevista e reflitam sobre os assuntos abordados.

Abraços



Superpoderoso da Moda
Sócio da Inbrands e presidente da Ellus, Nelson Alvarenga diz que estilistas são "meio preguiçosos" e que as datas das fashion weeks no país estão erradas

Patrícia Stavis/Folha Imagem

O empresário e estilista Nelson Alvarenga
no jardim da fábrica Ellus, em SP

ALCINO LEITE NETO
EDITOR DE MODA

A holding Inbrands tornou-se, nos últimos tempos, uma invejada organização de moda no Brasil. É ela que controla as grifes Ellus, 2nd Floor, Alexandre Herchcovitch, Herchcovitch Jeans e Isabela Capeto, além de comandar, por meio da empresa Luminosidade (cujo sócio é Paulo Borges), as duas principais semanas de moda: o Fa-shion Rio e a São Paulo Fashion Week, que começa hoje .
Mas quem controla a Inbrands? De um lado, com 50% do capital da holding, estão os 69 sócios do Banco Pactual. De outro, com iguais 50%, está o estilista e empresário Nelson Alvarenga, que é também presidente do conselho da Ellus, empresa que faturou em 2008 cerca de R$ 300 milhões.
Em outras palavras, e feitas as contas, Alvarenga, 59, é atualmente o homem mais poderoso da moda brasileira. Além disso, é o único dos pioneiros do jeanswear no país que sobreviveu com sua própria empresa, após Renato Kherlakian vender a Zoomp, e Tufi Duek, a Forum. Qual é o segredo de Alvarenga? "Sou mineirinho, né?", ele responde.
Nascido em Formiga (MG), o empresário começou sua carreira aos 16 anos na contabilidade da extinta grife Gledson. Em 1972, criou a Ellus, uma das raras empresas de moda no país com mais de 35 anos e cujas coleções são atualmente desenhadas pela estilista Adriana Bozon, mulher do empresário.
No último mês, Alvarenga inaugurou a loja Ellus and Guests (Ellus e Convidados), uma multimarcas sofisticada.
Na vida social, o empresário costuma ser mais discreto que os seus colegas fashionistas, mas em conversas é bem mais eloquente e franco.
Na entrevista a seguir, feita na fábrica da Ellus, Alvarenga lança uma série de torpedos: diz que a moda brasileira ainda está na adolescência e precisa de gente mais bem preparada intelectualmente, que as grifes nacionais continuam a copiar as estrangeiras, que os estilistas "normalmente são meio preguiçosos" e, destemido, afirma que as datas de realização das semanas de moda no país estão "totalmente" erradas.

FOLHA - Por que a roupa com design ainda é cara no país?
NELSON ALVARENGA - Por causa do custo Brasil. Temos uma das maiores taxas tributárias, um dos juros mais altos do mundo e existe muito desperdício, por razões culturais. Na construção civil, por exemplo, o desperdício no Brasil está em torno de 35%, contra 4% nos EUA.

FOLHA - Desperdício de matéria-prima e tempo de trabalho?
ALVARENGA - Desperdício de tudo, falta de racionalização, de inteligência, porque a questão de formação da gestão e da mão-de-obra é fundamental.

FOLHA - Onde ocorre sobretudo o desperdício na moda?
ALVARENGA - De mil jeitos. Você já começa a desperdiçar com o nosso calendário de moda, que é totalmente errado.

FOLHA - As datas de realização dos desfiles estão erradas?
ALVARENGA - Estão. No exterior, entre a realização dos desfiles e o embarque das mercadorias para os compradores transcorrem cerca de cinco meses. É um bom tempo para organizar a logística da produção e da distribuição. Aqui, os desfiles de inverno, por exemplo, são feitos em janeiro, e as mercadorias têm que ser entregues no mês seguinte, porque em 1º de março o lojista já quer uma vitrine linda de inverno. Quem tem bola de cristal para saber, com coleções gigantescas, qual vai ser o mix de produtos que os lojistas vão querer? Você é obrigado a fazer um monte de chutes de antecipação de produtos, que geram sobras enormes e desperdícios.

FOLHA - Por que não mudam o calendário dos desfiles?
ALVARENGA - Porque tudo isso é decidido como no Congresso Nacional, onde o voto de Sergipe vale igual ao voto de São Paulo. A escolha é feita por maioria simples, e a maioria das marcas do calendário de moda não tem uma estrutura que precise de logística de produção, é formada por empresas muito pequenas, que acham que o fato de postergar a lição de casa vai torná-la mais fácil.

FOLHA - Com a Inbrands no controle da SPFW e do Fashion Rio, esse calendário pode mudar?
ALVARENGA - Paulo Borges está trabalhando com as pessoas. Estamos lutando por isso há muito tempo, para dar mais saúde aos negócios da moda brasileira. Do contrário, todo mundo vai quebrar. Esse calendário é inviável, é uma herança da era da inflação, quando as pessoas compravam muito pouco e tudo era produzido e vendido muito rapidamente.

FOLHA - Que outros problemas o sr. vê na indústria de moda no país?
ALVARENGA - O negócio da moda no Brasil, em comparação a outros setores, como o automobilístico, ainda está na adolescência. Só com pessoas com outro nível intelectual e com outra mentalidade é que o país será mais competitivo e terá, inclusive, a chance de poder exportar, de se tornar um "player" no mercado internacional. Além do custo Brasil e dos desperdícios, não temos também uma tradição de design de moda, como na Itália. O Brasil tem tradição de futebol, de bunda, de outras coisas...

FOLHA - A moda brasileira ainda copia muito a estrangeira?
ALVARENGA - Ah, copia. Por isso mesmo as pessoas ficam retardando o lançamento das coleções, pois têm a esperança de ver até o último desfile da alta costura da semana passada, em Paris. É uma atitude juvenil. É preciso desmamar, buscar o seu estilo. Se você acha que é criativo e tem autoria, não precisa ficar dependendo do que é feito lá fora. É claro que as influências hoje são globais na comunicação, mas não são dois ou três meses que mudarão as coisas, se você tem a sua linha de conduta e o seu eixo de pensamento já formado, em termos de estilo e identidade.

FOLHA - Mas roupa com identidade forte vende bem no Brasil?
ALVARENGA - Você só tem duas formas de vender: ou preço ou identidade. O que o mundo respeita é isso. O meio termo não quer dizer nada. Precisamos acertar, então, os nossos calendários e atrair para os negócios pessoas mais bem preparadas. Na moda brasileira, ainda tem aquela coisa de o estilista dizer: "A mamãe acha que eu tenho bom gosto, que eu sou genial". Não é bem assim. Para tudo que você faz na vida, tem que ter conteúdo e preparo. O estilista, o suposto ou pretenso artista -pois você tem que questionar a legitimidade de tudo-, normalmente é meio prepotente e meio preguiçoso. Ele não gosta de por a mão na massa. Tem muitos desse tipo no Brasil.

FOLHA - Como conciliar a criatividade do estilista e os interesses comerciais do empresário?
ALVARENGA - Há muito o que se trabalhar dos dois lados, seja do investidor, seja do estilista. As coisas lá fora já estão mudando. As empresas têm dado muito foco aos resultados obtidos pelo estilista. Ele precisa agora criar a coleção e acompanhar o negócio até o resultado final das vendas. Não fica mais numa bolha utópica. Tem que saber que está criando para o consumo. As pessoas mais inconsequentes nesse aspecto estão ficando isoladas, pois vivemos num mundo de resultados.

FOLHA - O que mais o sr. mudaria nas semanas de moda brasileiras?
ALVARENGA - Estamos numa fase de transição no mundo todo. Nos anos 90, o frisson era maior em relação aos desfiles. Hoje, não tem a mesma intensidade. Mesmo porque, de fato, lançamos as coleções e chamamos os clientes para o show-room bem antes dos desfiles. A semana de moda deveria ter a função de ser um lançamento para o lojista. Mas isso está deixando de acontecer. Ainda mais porque ele sente que os desfiles estão ficando muito distantes da vida real. Nós temos consciência disso. Se a gente quer ser o calendário oficial da moda brasileira [com a SPFW e o Fashion Rio], temos que ir consertando aos poucos e voltar para o objetivo, que é trazer o dono da loja. Ele é público-alvo dos desfiles, juntamente com a imprensa.

FOLHA - As marcas da Inbrands tiveram queda de vendas com a crise?
ALVARENGA - Tivemos pequena queda nas multimarcas, porque o interior ficou muito assustado no final do ano passado com a redução no preço das commodities agrícolas e minerais.

FOLHA - Quanto representa para a Ellus a venda em multimarcas do interior do país?
ALVARENGA - Representa 70% de nossas vendas. O restante vem das nossas lojas próprias. É uma ilusão achar que a moda está concentrada nas grandes cidades. Isso não ocorre em nenhum lugar do mundo. As metrópoles podem ser formadoras de opinião, mas elas não são sustentadoras. Há uma riqueza fabulosa surgindo em toda parte no Brasil, quanto mais o país fica eficaz em agrobusiness.
Escolhemos a melhor loja multimarcas de cada cidade para torná-la um revendedor autorizado. Se não fizermos isso, viraremos artesãos. Ainda mais que as grandes companhias estrangeiras, as Zaras da vida, já estão de olho no nosso mercado interno e certamente virão para o país. Se não estivermos musculosos o suficiente, se não nos modernizarmos e ganharmos tamanho e competitividade, nós vamos desaparecer.

sábado, 13 de junho de 2009

Adoniran Barboza e Elis Regina

Em recentes conversas com meu amigo Walter "John Boy" Urbinati, despertou-me a curiosidade e a vontade de relembrar alguns artistas da MPB que foram ícones em sua época, e que ainda são cultuados em certos meios, que reconhecem a genialidade e a atemporidade de suas obras.

Pesquisei no YouTube e encontrei este vídeo de um especial da Rede Bandeirantes, onde a Elis convida Adoniran.

Divirtam-se.

sexta-feira, 12 de junho de 2009

Primeira postagem

Olá,
Hoje vou tentar uma experiência,e já que é uma novidade, vou pelo método de tentativas, com erros e acertos.
Para o começo vou mostrar fotos tiradas ontem por Liz Grecchi, minha cunhada, que penso ser uma das melhores retratistas que conheço.
Aproveitem, que a modelo é linda.